X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Motivação & Inspiração

A diferença entre o cérebro de pessoas bem sucedidas e mal sucedidas

A diferença entre o cérebro de pessoas bem sucedidas e mal sucedidas

A sua inteligência não influencia no seu sucesso. Por outro lado, a sua maneira de pensar influencia


A sua inteligência não influencia no seu sucesso. Por outro lado, a sua maneira de pensar influencia

Qual é a melhor maneira de tomar as rédeas da sua própria vida e elevar seus limites para novos patamares?

De acordo com a psicóloga Carol Dweck Stanford, tudo envolve a sua mentalidade.

As pessoas bem sucedidas tendem a se concentrar no crescimento, resolvendo problemas e no auto-aperfeiçoamento, enquanto as pessoas mal sucedidas pensam em suas habilidades como problemas e evitam novos desafios.

Dweck diz que existem 2 categorias básicas de traços comportamentais que as pessoas tendem a cair: mentalidades fixas e de crescimento. Este infográfico por Nigel Holmes resume essas diferenças.

Como funcionam as programações de cada tipo de cérebro

Como funcionam as programações de cada tipo de cérebro

Uma pessoa com uma mentalidade fixa tende a se ver com características estáticas e uma perspectiva determinista.

Para essas pessoas, a inteligência, o caráter e a capacidade criativa nem sempre podem ser mudados de forma significativa, enquanto o sucesso é visto como uma afirmação daqueles que receberam essas habilidades e características.

A mentalidade fixa vê o ser humano quase como uma planilha já concluída, com coisas como inteligência e personalidade operando como características imutáveis ​​e fundamentais.

Assim, se esforçar para ter sucesso e evitar o fracasso a todo custo se torna uma forma de manter o sentido de ser inteligente ou experiente.

Uma pessoa com uma mentalidade de crescimento, por outro lado, vê desafios como coisas a serem superadas e vê o fracasso como uma oportunidade de crescimento e desenvolvimento pessoal.

No final, diz Dweck, como nos aproximamos da vida pode determinar o nosso sucesso e felicidade.

Ela escreve que sua pesquisa mostrou que o ponto de vista que você adota para si afeta profundamente a forma como você conduz a sua vida. Ele pode determinar em você se tornar a pessoa que você quer ser, e se você se comprometer a realizar e as coisas que você valoriza.

Entrando em mais detalhes, Dweck argumenta o seguinte:

Acreditar que suas qualidades são esculpidas em pedra – a mentalidade fixa – cria uma urgência para provar a si mesmo mais e mais se você tiver apenas uma certa quantidade de inteligência, uma certa personalidade, e um certo caráter moral.

Bem, então você é melhor provar que você tem uma boa dose deles. Eles simplesmente não olhariam ou sentiriam deficiências nessas características mais básicas.

Fixed Mindset Growth Mindset

A ciência nisso não é apenas mais um livro de auto-ajuda. Dweck usa a ciência para apoiá-la. Em um estudo agora famoso de 1998, Dweck e Claudia Mueller separaram 128 crianças com idades entre 10-11 em 2 grupos.

Cada grupo foi convidado a resolver problemas matemáticos. Um grupo foi elogiado por suas características inatas (você fez muito bem – você deve ser muito inteligente), enquanto outro foi elogiado pelo seu esforço (você fez muito bem, você deve ter tentado muito).

Em seguida, eles receberam um conjunto mais difícil de problemas – tão difíceis, na verdade, que muitos assuntos mal conseguiram sequer entender a pergunta corretamente.

Todos foram informados de que haviam sido piores. Este foi seguido por um terceiro conjunto de questões de novo, foi mais fácil ver como falha impactou o desempenho.

O resultado? As crianças que tinham sido elogiados pela inteligência fizeram cerca de 25% pior no terceiro teste do que as elogiadas por sua ética de trabalho.

O grupo do elogio da inteligência era mais provável de culpar sua incapacidade de resolver os problemas em sua falta de capacidade ou a dificuldade da questão, em vez de não ter tentado o suficiente.

Proporção de crianças que tiveram desempenho alcançado em função do tipo de elogio dado (em vez de aprendizagem).

Proporção de crianças que tiveram desempenho alcançado em função do tipo de elogio dado (em vez de aprendizagem).

No geral, a pesquisa de Dweck e Mueller apoiou a hipótese de que as crianças que são elogiadas pela inteligência quando conseguem algo são as menos propensas a atribuir seu desempenho pelo baixo esforço.

Dweck e Mueller realizaram 5 outras experiências semelhantes e descobriram que as crianças que foram informadas de que eram inteligentes, ao invés de ser informadas que trabalhavam duro aprenderam a medir a sua própria inteligência com um elogio.

Na verdade, elas pareciam ter baixo desempenho como um indicador de que elas simplesmente não estavam à altura da tarefa.

As crianças elogiadas pelo seu esforço pareciam saber que a inteligência era “maleável” e definiu-a em termos de “motivação e conhecimento”.

Em outro estudo, Dweck e outros pesquisadores ofereceram às crianças uma escolha entre refazer um quebra-cabeça fácil ou tentar um mais difícil.

Aquelas com uma mentalidade fixa refizeram o quebra-cabeça fácil, expressando a crença de que crianças inteligentes não cometem erros, enquanto aquelas com uma mentalidade de crescimento ficaram confusas com os motivos que fariam alguém querer repetir o mesmo quebra-cabeça e queriam enfrentar novos desafios, como forma de avançar.

Outra pesquisa mostrou que as atitudes em relação a tarefa importa tanto quanto a real capacidade de uma pessoa para realizá-las.

Soldados prestes a embarcar em uma marcha de 25 quilômetros, por exemplo, foram apresentados a informações diferentes sobre o comprimento da rota que eles tinham que completar.

Aqueles que foram informados que seriam 37 quilômetros, ou que não sabiam nada sobre o comprimento, se empolgaram e foram pior do que aqueles que receberam uma descrição precisa ou que foram informados que era de apenas 18 quilômetros.

Os autores concluíram que o que importava era o quão perto o desafio foi antecipado combinado com as capacidades reais dos soldados, dizendo que se nós não acreditamos que nós podemos fazer isso, não teremos os recursos necessários para fazê-lo.

Os resultados foram confirmados pela medição hormônios do estresse nos níveis sanguíneos dos soldados.

O que isso significa? Veja como o professor G. Richard Shell resume os resultados de campo da pesquisa de Dweck em seu livro Springboard: Lauching Your Personal Search for Success:

As experiências repetidas têm demonstrado o valor de louvar o esforço em vez de talento inato.

Se você está sendo elogiado pelos outros por estar no caminho certo, isso pode levar você a elogiar-se com base no seu esforço genuíno quando você realizar algo significativo sobre o papel de sua capacidade natural, que você deve ignorar qualquer resultado – bom ou mau -, que vem depois de se colocar em apenas um esforço indiferente.

E você deve estar orgulhoso de qualquer resultado que vem do trabalho duro. Mesmo quando o resultado não é o que você esperava.

Aqueles com uma mentalidade de crescimento, por outro lado, não acham que necessariamente qualquer um pode ser Einstein, mas entendem que todos possam desenvolver suas habilidades e que mesmo Einstein não era Einstein até que se dedicou à décadas de trabalho.

Desafios ajudam essas pessoas a melhorar, e em última análise, motiva a trabalhar mais e seguir em frente.

___

Este artigo foi adaptado do original, “The Brains of Successful vs. Unsuccessful People Actually Look Very Different”, do News.Mic.

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo