X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Motivação & Inspiração

O ingrediente secreto para o sucesso

Auto consciência

O que a consciência tem a ver com um império de restaurantes, um campeonato de tênis, ou até mesmo o sonho de uma estrela do rock?


O que a consciência tem a ver com um império de restaurantes, um campeonato de tênis, ou até mesmo o sonho de uma estrela do rock?

A experiência de David Chang é instrutiva.

Chang é um renomado e premiado coreano-americano cozinheiro de restaurante, e proprietário do restaurante Momofuku grupo com 8 restaurantes de Toronto e Sidney, e outras empresas prósperas, incluindo padarias e bares, um programa de TV, spots na HBO e uma revista de alimentação.

Ele disse que trabalhou até a exaustão para realizar o seu sonho: o de possuir um pequeno e humilde bar.

Chang passou anos cozinhando nos melhores restaurantes de Nova Iorque, trabalhando como aprendiz em lojas diferentes de macarrão no Japão e depois, finalmente, trabalhou 18 horas por dia em seu pequeno bar, Momofuku Noodle Bar.

Nesse momento, Chang mal conseguia pagar a si mesmo um salário. Ele tinha problemas para manter o pessoal e foi ficando estafado a cada dia de trabalho.

Ele lembra o caso de uma vez em que saiu com seus funcionários em uma noite de folga para comer hambúrgueres em um restaurante que era tudo que o seu não era: embalado, aclamado pela crítica e bem sucedido financeiramente. Ele poderia cozinhar melhor do que todos eles, pensou Chang, então por que o seu restaurante não era reconhecido? Eu não conseguia descobrir o que diabos estávamos fazendo, ressalta Chang.

Chang poderia ter culpado alguém pelos seus problemas, ou trabalhado mais (embora a evidência sugere que não seria possível), ou ele poderia ter feitos alguns pequenos ajustes no menu.

Em vez disso ele olhou para dentro e submeteu-se a brutal auto-avaliação.

David Chang: hoje um dos maiores chefs da cozinha contemporanea

David Chang: hoje um dos maiores chefs da cozinha contemporanea.

O bar dos seus sonhos era economicamente viável? Claro, um prato de macarrão tradicional sempre tem seu charme, mas não funcionaria como o o restaurante que ele esperava que pagaria as suas contas.

Chang mudou de rumo. Ao invés de se preocupar com o que um bar de macarrão deve servir, ele e seus cozinheiros começaram a perseguir o produto ideal que deveriam servir.

Em seguida, eles voltaram para a cozinha e, como se fossem a sua última refeição, montaram um menu com combinações selvagens de pratos que eles queriam comer.

O que aconteceu depois disso foi meio ridículo: a multidão chegou, os elogios foram empilhados e prêmios e oportunidades inimagináveis se apresentaram a Chang.

Durante os anos 70, Chris Argyris, um teórico de negócios da Harvard Business School (e agora, aos 89 anos, professor emérito da escola) começou a pesquisar o que acontece com as organizações e pessoas como Chang, quando encontram obstáculos em seu caminho.

O professor Argyris a resposta mais comum de aprendizagem de único laço – um processo insular mental em que consideramos possíveis razões externas ou obstáculos técnicos.

Menos comum, mas muito mais eficaz é a abordagem cognitiva que o professor Argyris chamou de circuito duplo de aprendizagem. Neste modo, pessoas como Chang questionam cada aspecto de sua abordagem, incluindo metodologia, preconceitos e pressupostos profundamente arraigados.

Esse autoexame psicologicamente mais sutil exige que desafiemos honestamente nossas crenças e coragem para agir de acordo com essa informação, que pode levar à maneira com que pensamos sobre nossa vida e metas.

Em entrevistas feitas com empreendedores para um livro, Camille Sweeney e Josh Gosfield, esperavam ouvir que o talento, a persistência, a dedicação e a sorte desempenharam um papel crucial no sucesso dessas pessoas.

Porém, surpreendentemente, a auto consciência desempenhou um papel igualmente forte com os outros comportamentos.

As pessoas bem sucedidas – em negócios, entretenimento, esportes e artes – todas tiveram respostas semelhantes quando confrontadas com obstáculos: sujeitaram-se a bastante e impiedosa autoanálise que levou à reinvenção de suas metas e os métodos pelos quais eles se esforçaram para atingir essas metas.

A campeã de tênis Martina Navratilova, por exemplo, disse-nos que depois de uma perda humilhante para Chris Evert, em 1981, ela questionou a suposição de que ela poderia conseguir talento e instinto.

Ela começou uma longa exploração de todos os aspectos de seu jogo. Ela adotou uma prática de cross-training (comum hoje em dia, mas inédito na época), renovou a sua dieta e seu jogo mental e tático e, finalmente se transformou em uma das mulheres mais bem sucedidas da sua época.

A banda de indie rock OK Go aprendeu muito com uma auto reflexão

A banda de indie rock OK Go aprendeu muito com uma auto reflexão.

A banda de indie rock OK Go descreveu como estavam sendo operadas pelo modelo de negócios da banda, no século 20. E, quando as vendas de discos caíram e a indústria entrou em colapso os membros da banda se viram criativamente paralisados por sua gravadora.

Em vez de depender de sua gravadora, eles saíram fazendo vídeos de músicas nada convencionais, que se tornaram virais, e projetos colaborativos com empresas como Google, State Farm e Range Rover, que financiaram seus futuros esforços criativos.

Agora, a banda lança álbuns com o seu próprio selo.

É fácil encontrar respostas para explicar porque o mundo não se adequa aos nossos esforços. Mas o que podemos aprender conversando com os grandes empreendedores é que desafiar os nossos pressupostos, objetivos, às vezes até mesmo os nossos objetivos, podem nos empurrar mais do que pensamos ser possível.

Pergunte a David Chang, que nunca imaginou que sweetbreads e bolos de arroz de pato com salsicha couve-rábano e hortelã iria encontrar o seu caminho ao lado de seus pratos de macarrão humildes – e fazer deles uma estrela.

___

Este artigo foi adaptado do original, “Secret Ingredient for Success”, do The New York Times.

Comente este artigo

Populares

Topo