X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Aibo, o robô canino da Sony, sofre uma morte lenta após fim do suporte técnico


Em 1999, a Sony lançou um robô em formato de cão chamado Aibo, um companheiro canino que não fazia sujeira pela casa e só precisava de eletricidade para se alimentar. E ele vendeu bem — 150.000 unidades, a US$ 2.000 cada uma.

Mas a Sony interrompeu a produção do robozinho em 2006 e, em julho de 2014, fechou a última assistência técnica do robô, não prestando mais nenhum tipo de suporte ao Aibo. Agora, donos apegados ao canino robótico precisam lidar com técnicos não-autorizados e usar peças de terceiros, que muitas vezes vem de outros Aibos.

O New York Times fez uma reportagem em vídeo, de amolecer qualquer coração, sobre o fim de vida destes robôs. Eles entrevistaram uma série de donos apegados aos seus Aibos e que precisam lidar com a ideia de que um dia eles talvez não liguem mais. Confira:

A primeira geração do Aibo, ou Artificial Intelligence roBOt, foi lançada em maio de 1999 por 250.000 ienes (hoje equivalentes a cerca de US$ 2.000) — o sucesso de vendas foi inesperado para a Sony: em 20 minutos, 3.000 Aibos foram vendidos no Japão e em quatro dias, 2.000 foram vendidos nos EUA.

Todos os Aibos tinham a habilidade de andar, reconhecer o ambiente e responder a comandos em inglês, espanhol e japonês, além de uma personalidade. O robô rendeu três gerações e 14 modelos. O último chegou ao mercado em outubro de 2005, menos de um ano antes da Sony descontinuar a produção do robô.

A produção do Aibo chegou ao fim porque a Sony precisava se tornar novamente uma empresa lucrativa. Num momento de crise, a empresa se viu obrigada a descontinuar uma série de produtos e, infelizmente para os donos do robô canino, o Aibo nunca foi uma prioridade.

O Aibo se tornou ícone da cultura pop, aparecendo em filmes e clipes de música. Em 2006, com o fim da produção, o robô entrou no Hall da Fama Robótico da Universidade de Carnegie Mellon, por ser o produto robótico mais sofisticado oferecido a consumidores.

Mesmo com o triste fim de vida se aproximando para o Aibo, ele não deixa de ser um marco surpreendente: é um gadget que sobrevive há mais de 16 anos, muito mais tempo que os nossos dispositivos de hoje em dia. E sem suporte, robôs se tornam tão mortais quanto humanos. [NYT]

Foto por jeanbaptisteparis/Flickr

O post Aibo, o robô canino da Sony, sofre uma morte lenta após fim do suporte técnico apareceu primeiro em Gizmodo Brasil.

dcfbb QbvAOoeKQ

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo