X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Como proteger aviões civis – e seus passageiros – de ataques aéreos?


Este não é um bom ano para a aviação: nesta semana, dois aviões caíram – um em Taiwan, outro no Mali – e na semana passada, o voo MH17 da Malaysia Airlines foi derrubado por um míssil no leste da Ucrânia, região atualmente ocupada por separatistas.

Os acidentes desta semana aconteceram devido a intempéries da natureza – o tufão Matmo e uma tempestade – mas a tragédia na Ucrânia, não. Muitos se manifestaram, pedindo por uma defesa melhor em aviões comerciais. Mas é mesmo possível proteger aviões civis contra armas de nível militar?

Para entender por que é tão difícil defender aviões civis, precisamos entender como é ampla a lista de ameaças que eles enfrentam.

>>> Os detalhes do míssil que provavelmente derrubou o avião da Malaysia Airlines na Ucrânia

Como funcionam os mísseis teleguiados e autoguiados

Quando aviões civis são derrubados – o que já aconteceu várias vezes nas últimas décadas – a arma em questão quase sempre é um míssil. Ao contrário de foguetes não-guiados, esses mísseis podem ser orientados até chegar ao alvo. Isto pode ser feito por uma pessoa, de forma remota; mas geralmente é feito com uma tecnologia que usa o próprio alvo para guiar o míssil.

Existem vários métodos de se fazer isto:

com localização ativa: trata-se de uma tecnologia tudo-em-um, que usa um radar interno e componentes eletrônicos. Isso permite criar mísseis que não precisam ser monitorados durante todo o voo, como o AMRAAM; mas exige um míssil muito maior, mais pesado e mais caro.

Além disso, o tamanho e a resolução do radar de bordo são muito menores do que um radar em terra. Isso limita severamente o tamanho dos alvos que um míssil ativo pode perseguir, essencialmente limitando-o a atingir navios e alvos aéreos. Um míssil desses poderia atingir um bombardeiro B-52, mas teria dificuldade para identificar um drone militar.

com localização semiativa: em vez de um radar a bordo, ele depende de um radar maior em terra – muitas vezes o mesmo sistema que identifica as ameaças dos inimigos. Com isso, o míssil fica menor, mais leve e mais barato de fabricar, e sua resolução de radar é melhor.

No entanto, o radar que a estação terrestre utiliza para guiar o míssil também pode detectada pelo alvo e destruída. Ainda assim, o sistema – conhecido tecnicamente como SARH – é o mais comum em operações para derrubar aeronaves.

Uma forma alternativa de homing semi-ativo, o SALH, substitui o radar por um designador laser, que identifica bombas e outras munições com precisão. Sistemas SALH são bastante encontrados em plataformas de mísseis ar-superfície, lançado por uma aeronave militar em alvos na terra ou no mar.

adddc ICXmKMXJug

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo