X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Escolha da equipe deve levar em conta conceitos nem sempre contemplados


por Mônica Pupo

Não raro os empreendedores assumem sozinhos a gestão de seus colaboradores. Sobretudo em empresas de pequeno e médio porte (PMEs), a existência de um departamento de recursos humanos é, na maioria das vezes, inexistente, cabendo ao proprietário recrutar, selecionar e treinar funcionários. Isso não quer dizer, porém, que a função seja simples ou desnecessá­ria. Fundamental para o sucesso do negó­cio, a escolha correta da equipe deve levar em conta conceitos e percepções que vão além do que oferecem os formatos tradi­cionais de entrevista.

fbef entre

Para auxiliar na tarefa, os empresários atualmente contam com diversas ferra­mentas que auxiliam na gestão de equipes, incluindo técnicas para implantar plano de carreira e a concessão de benefícios não-financeiros em pequenas empresas. “Há suas vantagens em ser um pequeno negó­cio, então é preciso explorar isso, apro­veitando a maior flexibilidade para criar um ambiente e uma cultura atraentes, que ajudem a atrair bons profissionais”, afirma Othamar Gama Filho, especialista em gestão de pessoas e sócio-diretor da Recruiters do Brasil.

Na entrevista a seguir, ele comenta as principais tendências em recursos hu­manos, incluindo o conceito de employer branding e sua aplicação no contexto das PMEs, além de dar dicas para fazer análise comportamental e avaliações durante pro­cessos de recrutamento e seleção de pro­fissionais de todos os níveis e categorias. Muito se fala hoje em dia de employer bran­ding. Oque isso quer dizer e qual sua apli­cação no dia a dia das organizações?

Othamar Gama Filho – Employer branding refere-se à imagem que uma empresa transmite para o público em geral, mas principalmente para possí­veis candidatos passivos e ativos de sua cultura, valores, ambiente, etc.

Como é possível construir uma imagem positiva segundo os conceitos de employer branding?

Gama Filho – Como o conceito de employer branding é muito amplo, não existe uma fórmula mágica para se obter resultados. De qualquer forma, a manei­ra mais simples e direta que qualquer empresa pode seguir para se alinhar a essa filosofia inclui a identificação dos reais pontos fortes (seja de estrutura, benefícios, cultura, tecnologia, clima, momento de mercado, etc.) que possui, encontrando uma maneira de comunicar esses pontos fortes para todos, de clien­tes finais a parceiros e fornecedores. Estimule seus próprios colaboradores a comentar com seus amigos e conheci­dos, vá a feiras e palestras, faça publici­dade em redes sociais, etc. Apenas tome cuidado para não comunicar o que você gostaria que sua empresa fosse e não o que ela é de verdade, pois o tiro pode sair pela culatra. Transparência é muito importante em employer branding.

Até que ponto é possível analisar – ou até prever – o comportamento de um candidato a vaga?

Gama Filho – Prever os compor­tamentos e condutas futuros de um funcionário com certeza é impossível, mas você pode minimizar suas chances de erro através de alguns cuidados. O primeiro deles é verificar suas referên­cias corretamente. Também é importan­te elaborar uma entrevista estruturada procurando identificar comportamen­tos passados que serão necessários no novo cargo, além de fazer uma avaliação de preferências comportamentais para saber se o candidato se sentirá bem de­sempenhando as funções do cargo. Para fechar, busque avaliar bem o perfil do gestor para tentar diminuir o risco de que o estilo de trabalho do novo colaborador não seja antagônico ao estilo de trabalho do seu futuro gestor.

É possível fazer essa análise comportamental mais apro­fundada durante uma entre­vista de emprego que costuma ser de curta duração? Quanto tempo leva para concluir esse tipo de análise?

Gama Filho – Com apenas uma entrevista não é possível realizar essa aná­lise de forma eficaz. É pre­ciso utilizar um método de entrevista comportamen­tal como o Star, conduzido de preferência por alguém bem treinado. Uma boa entrevista de emprego não pode durar menos do que 30 minutos.

Em que consiste o método Star e para quem é recomen­dado?

Gama Filho – A si­gla Star vem de Situation, Task, Action, Result (Situ­ação, Tarefa, Ação, Resul­tado). Consiste numa téc­nica onde o entrevistador procura buscar no passado do candida­to uma situação em que essa pessoa te­nha necessitado identificar uma solução para um determinado problema, sendo que depois conseguiu implementar essa medida com sucesso e as lições que ele aprendeu com essa experiência. Os exemplos normalmente se referem a momentos reais que o candidato deverá vivenciar no dia a dia do cargo/função. É recomendado para toda e qualquer en­trevista, cargo e porte de empresa.

Quais perguntas são fundamentais durante uma entrevista de emprego?

Gama Filho – É fundamental prio­rizar perguntas que permitam ao entre­vistador visualizar como o candidato lidou com determinadas situações no passado, qual foi o resultado obtido e como isso se reflete no cargo de interesse do mes­mo.

Atualmente, quais as téc­nicas mais modernas de recrutamento e seleção de pessoas?

Gama Filho – Para o recrutamento vale desta­car os sistemas de gestão de indicação de candidatos e recompensas com foco nas redes sociais de todos os colaboradores da em­presa. Já para a seleção, o destaque são os jogos que fazem a simulação on-the-job-evaluation, além de novas ferramentas on-line de assessment e gestão de pessoas.

No caso de pequenas e mé­dias empresas, como é pos­sível estabelecer um plano de carreira e remuneração?

Gama Filho – Qual­quer empresa pode – e deve – ter um plano de carreira e remuneração. O único ponto é que, no caso de pequenas e mé­dias organizações, após um determinado nível hie­rárquico, esse crescimento fica muito lento ou até mesmo impossível do co­laborador obter.

Qual a importância dos “benefícios não-financeiros” no contexto das PMEs?

Gama Filho – Hoje em dia esses são os únicos diferenciais que as pe­quenas empresas podem utilizar para competir com as grandes corporações na guerra por talentos.

Quais destes benefícios não-financeiros você indica para serem adotados por PMEs?

Gama Filho – É possível oferecer, por exemplo, proximidade com a lide­rança da empresa; possibilidade de so­ciedade; flexibilidade de horário e pre­ferência à contratação de colaboradores que moram perto de sua empresa.

 

 

Via RSS de Empreendedor

Leia em Empreendedor

Comente este artigo

Populares

Topo