X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Pequenos negócios estão otimistas para festas de fim de ano


Índice de Confiança calculado mensalmente pelo Sebrae permaneceu elevado em outubro

A confiança dos donos de micro e pequenas empresas se manteve alta no mês de outubro e esse otimismo deve continuar até o final do ano. Pelo segundo mês consecutivo, o Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN), mensurado mensalmente pelo Sebrae, atingiu 121 pontos – o mais alto desde o início de 2013. “A proximidade das festas de fim de ano e o bom desempenho que as micro e pequenas empresas tiveram até esse momento são fatores que influenciam fortemente nas perspectivas dos donos de pequenos negócios”, afirma o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

O último ICPN também demonstra que quase a totalidade dos empresários crê no aumento ou na estabilidade do faturamento. Ao todo, 96% dos entrevistados acreditam que até dezembro não terão redução no seu faturamento e 98% esperam manter os seus funcionários ou aumentar o número de contratações para atender às demandas das datas de fim de ano.

Entre as categorias de empresários, os microempreendedores individuais (MEI)  – aqueles que faturam até R$ 60 mil por ano –  são os mais confiantes e atingiram um ICPN de 124. Quando analisamos a pesquisa por setores, a Construção Civil continua sendo destaque, com 124 pontos, seguida pelo Comércio, com 121. Na análise dos resultados por regiões, o Nordeste e o Norte têm o melhor desempenho, com 125 e 123 pontos, respectivamente.

O Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN) é medido em uma escala que varia de 0 a 200. Acima de cem, o indicador revela tendência de expansão das atividades, enquanto abaixo desse valor direciona para possível retração. A pesquisa abrange amostra de 5,6 mil empreendimentos de todos os setores – Indústria, Comércio, Serviços e Construção Civil –, entre microempreendedores individuais (MEI), microempresas – que faturam entre R$ 60 mil e R$ 360 mil por ano – e negócios de pequeno porte, com faturamento bruto anual entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões.

Tags: 

Via RSS de Empreendedor

Leia em Empreendedor

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo