X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Empreendedorismo

O problema das emoções nos relacionamentos profissionais

O problema das emoções nos relacionamentos profissionais

Existe uma maneira profissional na hora de tratar com clientes e equipe. Acredite, a raiva não é uma delas


Existe uma maneira profissional na hora de tratar com clientes e equipe. Acredite, a raiva não é uma delas

Profissionais são capazes de fazer o seu trabalho sem usar a emoção para demonstrar a urgência.

Quando um cirurgião pede à enfermeira um bisturi, ele não tem que levantar a voz, pisar no seu pé ou até mesmo fazer uma careta. Ele simplesmente pede.

Quando um piloto atinge uma situação difícil, não é suposto que ele comece a gritar com o controle de tráfego aéreo. Ele descreve a sua situação e recebe a ajuda de que precisa.

E apesar de você ter visto nos filmes, corretores de valores bem-sucedidos não começam a gritar quando não há mais dinheiro na linha.

Compare isso com o mundo amador da mídia, do atendimento ao clientes e do marketing. Quem grita mais nos chama atenção.

As pessoas enviam e-mails como urgentes quando eles não são. As marcas e os consumidores muitas vezes travam um verdadeiro combate nas mídias sociais. Um exemplo claro de despreparo, desespero e amadorismo.

Deve estar claro (em comparação aos cirurgiões e aos pilotos) que estas pessoas não estão com raiva porque muito está em jogo. Eles ficam com raiva porque funciona.

O problema de fazer as pessoas ficarem com raiva para fazer as coisas é que nós agora estamos cercados de pessoas que estão com raiva.

O que acontece se você tem uma abordagem profissional com as pessoas com quem trabalha, recompensando as pessoas que priorizam adequadamente seus pedidos e ignorando aqueles que buscam as coisas via sarcasmo.

Se você vai recompensar consistentemente as trocas atenciosas e recusar-se a atender as pessoas que estão com raiva, todos que trabalham com você vão entender o recado.

A armadilha da raiva é que muitas vezes as pessoas jogam-na de volta contra você.

___

Este artigo foi adaptado do original, “How loud and how angry”, do blog do Seth Godin.

Comente este artigo

Populares

Topo