X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Growth Hacking

Growth hacking não é apenas para startups

Growth hacking não é apenas para startups

Muitas pessoas acreditam que growth hacking é um recurso válido apenas para startups. A verdade é bem diferente disso


Muitas pessoas acreditam que growth hacking é um recurso válido apenas para startups. A verdade é bem diferente disso

Engana-se quem pensa que growth hacking só serve para startups.

Engana-se quem pensa que growth hacking só serve para startups.

Em abril desse ano, Christine Crandell e a BrightTALK lançaram uma série de entrevistas de vídeo. No canal “Disruptive Innovator Interviews with Christine Crendell”, ela entrevistou executivos para descobrir segredos de vendas e marketing.

No meio disso, ela busca tendências emergentes que estão surgindo e quais conselhos os profissionais têm para os gestores construírem suas organizações de desempenho.

O convidado inaugural da série de entrevistas em vídeo de 30 minutos foi Greg Ott, vice-presidente de marketing da IntuitQuickBooks, discutindo os méritos do growth hacking.

Um grande pensador, Ott tem estado na vanguarda da construção de organizações ágeis que impulsionam o crescimento.

O tema do growth hacking foi perfeito para ele.

Uber, Airbnb e outras empresas de economia compartilhada são frequentemente citadas como exemplos de growth hacking onde a experiência e design do produto é o principal motor de crescimento; não o marketing tradicional e limitado.

Realizada como o novo modelo de marketing ou anti-marketing, dependendo de qual lado do campo você está, a crença comum é que isso é algo apenas para startups.

Segundo Ott, o growth hacking é uma nova visão sobre uma velha ideia – simples assim, é sobre encontrar uma maneira melhor e mais eficiente para impulsionar o crescimento.

Hack é sobre repensar tudo o que seria considerado abordagem tradicional e chegar com ideias completamente novas.

Para os profissionais de marketing espertos, hacking ainda é um meio para um fim – o melhor do marketing de uma empresa é um grande produto com clientes felizes.

Estes são conceitos fundamentais que agora vivem no mundo social. Não é mais viável para as empresas terem programas de marketing que são dissociados do uso do núcleo do produto ou não ativar os clientes como defensores mais poderosos da marca.

Os profissionais de marketing precisam trabalhar profundamente com as equipes de produto, conhecer seus clientes e, começar a jogar muito sujo com dados e modelos para inspirar novas ideias.

Para Greg Ott, o growth hacking não é um recurso apenas para startups.

Para Greg Ott, o growth hacking não é um recurso apenas para startups.

Na superfície onde tudo soa fantasioso, na realidade significa mudança e todos nós sabemos o quanto cada um de nós, pessoalmente, gostamos de abraçar a mudança que não imaginamos.

Christine Crandell perguntou a Ott como as empresas chegam à frente da mudança.

Sua resposta não foi uma ladainha de táticas de gerenciamento de mudanças, mas alguns conselhos muito simples: “se colocar no lugar dos clientes“.

Uma vez que as empresas entendem seus clientes, o que é relevante, como tomar decisões e como sua solução se encaixa em seus resultados, em seguida, compreenderão a mudança e o caminho através disso torna-se mais fácil.

No entanto, algumas empresas falam apenas da boca para fora não conhecendo seus clientes no nível que Ott descreveu.

Nas empresas que adotam growth hacking, a mudança torna-se o trabalho de todos da mesma forma que é de responsabilidade de cada um vender e comercializar.

As empresas com culturas que incentivam os funcionários a assumir riscos, porque eles conhecem intimamente o cliente, não penalizam ou estigmatizam o fracasso.

E, quando houver algum, eles aprendem, desenvolvem líderes que inspiram organizações e recompensam os funcionários para agir “de fora para dentro” e aceitar a mudança hoje os transforma em líderes de amanhã.

Estes são os mecanismos de crescimento.

___

Este artigo foi adaptado do original, “Growth-Hacking Isn’t Just For Startups”, da Forbes.

Comente este artigo

Populares

Topo