X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

growth hacking labs e
Growth Hacking

O que é Growth Hacking

O que leva uma ideia a se tornar um grande negócio da noite para o dia?


O que explica o fato de que muitas startups, antes mesmo de conquistarem a fama, conseguiram obter um crescimento tão grande? O que leva uma ideia a se tornar um grande negócio da noite para o dia? Muito disso pode ser explicado em duas palavras: Growth Hacking.

Growth pode ser traduzido como “crescimento”, enquanto Hacking, ao contrário do que muito se pensa, nada mais é que o ato de “encontrar brechas” — na computação, um hacker é um expert capaz de encontrar brechas nos sistemas de segurança, o que, muitas vezes, o leva a ser confundido com criminoso.

Isto é, o Growth Hacking é o que ajudará a sua empresa a encontrar oportunidades, em todo e qualquer detalhe, para atingir algum crescimento.

Continue lendo nosso conteúdo e entenda como isso funciona e qual a sua importância no marketing digital!

O que é Growth Hacking

Growth Hacking é um conjunto métodos, ferramentas e boas práticas, com foco único em crescimento.

A pessoa por trás de todo esse conceito chama-se Sean Ellis, que, por sua vez, acabou difundindo o Growth Hacking conforme foi prestando serviços para grandes empresas almejavam o crescimento rápido.

Com a necessidade de prosseguir com as implementações de Sean em cada empresa, uma nova categoria de profissionais foi inserida no mercado: os Growth Hackers.

Mas, por que não os profissionais de Marketing? Porque as estratégias utilizadas pelo setor não eram compatíveis com o que o Growth Hacking se comprometia a entregar às empresas.

Era preciso mais criatividade e inovações e menos investimentos financeiros, sobretudo com práticas tradicionais de Marketing — que possuem múltiplos focos e envolvem um alto grau de competitividade.

Basicamente, Growth Hacking é ver em cada estratégia, tática, ação e iniciativa uma brecha para gerar crescimento. Com uma abordagem mais poética sobre a questão, pensar em Growth é como enxergar o norte como a única via para chegar ao topo.

Qual o perfil de um Growth Hacker?

O perfil de um Growth Hacker não é formado por um curso de especialização, afinal, não estamos falando de um cargo existente — ao menos definido com tal nomenclatura — no mercado de trabalho.

Então, o que esse profissional tem que você não tem? Às vezes, você pode ter até muito mais que o necessário para ser um Growth Hacker, pois esta é uma questão de ter domínio em certas competências.

Basicamente, o perfil de quem segue essa carreira pode ser representado pelo profissional com conhecimentos em:

  • Marketing (Inbound Marketing; Copywriting; Desing etc);
  • Analytics (Digital Analytics; Estatística e Testes A/B);
  • Tecnologia (Planilhas; Programação Básica; Banco de Dados etc).

4 mitos a respeito de Growth Hacking

Se os mais antigos conceitos — isso em todas as áreas — acumularam diversas falsas afirmações e equívocos que praticamente se perpetuam. A realidade não muda com relação às novidades.

Isso porque, com a dinâmica da internet, qualquer equívoco pode ser difundido em longo alcance e resultar em algo similar à velha e conhecida citação: “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”.

Conheça abaixo 4 mitos a respeito do Growth Hacking.

1. Growth Hacking só é válido para startups

Mito! A resposta de Sean Ellis para isso é que “Growth Hacking is for Smart Marketers — Not Just Startups”, o que podemos entender como: se você for esperto e enxergar que é preciso inovar, o Growth Hacking — que realmente nasceu das startups — pode ser aplicado a qualquer empresa.

2. Growth Hacking serve apenas para a aquisição de novos clientes

Atrair novos clientes é o maior interesse da maioria dos empreendedores. Por muitas vezes, essa é a razão pela procura de maiores informações sobre Growth Hacking.

Mais adiante falaremos sobre outras funcionalidades do conceito de Growth Hacking — mais precisamente quando falarmos sobre o funil de vendas. Logo, mostraremos como a retenção, dependendo do ponto de vista, é até mais valorizada que a captação de novos clientes.

3. Growth Hackers são programadores

Essa fama pode ter sido criada em decorrência de dois fatos: o primeiro é que muitos dos Growth Hackers são programadores; o segundo é que o termo “Hacker”, principalmente no Brasil, é difundido como um expert em códigos, ou, equivocadamente, como aquele que é cibercriminoso.

Na verdade, o Growth Hacking pode até exigir certa familiaridade com linguagens de programação — como Python, Ruby on Rails e PHP —, assim como conhecimento em Analytics, Estatística e Banco de Dados.

Ou seja, um Growth Hacker precisa dominar todos essas disciplinas? Não necessariamente. Basta que ele tenha, em sua equipe, programadores e profissionais com esses skills.

4. Growth Hacking oferece soluções imediatas

Não se deve esperar soluções imediatas de Growth Hacking. Afinal, como suas estratégias envolvem testes constantes, é impossível estimar o tempo que elas levarão para, de fato, vingarem.

O funil de vendas do Growth Hacker

Certamente você já ouviu falar sobre funil de vendas, certo? Mas, caso não saiba ao certo do que se trata, digamos que o funil seja uma sequência de etapas que visam guiar a jornada do visitante até que ele se torne um cliente fidelizado.

Para o Growth Hacking, os estágios do funil são mais específicos e voltados exclusivamente para os resultados. De acordo com Neil Patel e Bronson Taylor, dois dos maiores especialistas no assunto e autores do “The Definitive Guide to Growth Hacking”, o funil é composto por 3 fases: Atração, Ativação e Retenção.

1. Geração de tráfego

O primeiro passo para gerar tráfego é “puxar” as pessoas para o seu site. Entre inúmeras analogias que podemos usar para isso, pensemos nas estratégias de um pescador.

A lógica da pescaria é extremamente válida para a geração de tráfego. Pois, da mesma forma que os peixes se interessam pelo petisco, os internautas se interessam pelo conteúdo — textos, vídeos, podcasts, infográficos etc.

Basta disponibilizar um material que incentive o público a fisgá-lo. Então, ao perceber que a “isca” foi mordida, puxe o visitante para você!

2. Ativação de usuários

A ativação consiste em fazer com que o visitante, aquele que visitou o seu produto, seja conduzido a concluir alguns dos objetivos do seu negócio. Esses objetivos podem ser:

  • Conseguir o e-mail;
  • Direcionar a alguma leitura;
  • Fazer com que o visitante se cadastre;
  • Estabelecer interação com um representante;
  • Levá-lo a comprar/compartilhar um produto.

Enfim, são muitas as metas que podem ser cumpridas em uma mesma navegação. Entretanto, esperar que isso aconteça por total iniciativa do usuário não é uma boa ideia, o site precisa incentivá-lo a isso através de call-to-actions, landing pages, onboarding etc.

3. Retenção de clientes

Mais importante que o cliente utilize o seu produto/solução, é que ele comece a usufruir do mesmo habitualmente. Sim, estamos falando de reter o consumidor!

3 razões para a retenção não ser subestimada:

  • Atrair novos consumidores custa 5 vezes mais do que reter um cliente (Forbes);
  • 52% dos apps perdem pelo menos metade dos usuários após 3 meses da instalação (Business Insider);
  • Os seus atuais clientes são 50% mais propensos a experimentar novos produtos e 31% a gastar, comparados aos novos prospects (Invesp).

Portanto, é fundamental tratar a relação com aqueles que já são clientes como um verdadeiro laço de amizade.

Mantenha contato frequentemente, dê atenção aos feedbacks, garanta ao cliente todos os benefícios e muito mais. Valorize-os!

Conclusão

Através deste post você aprendeu sobre os conceitos básicos de Growth Hacking, compreendendo assim que toda e qualquer empresa pode implementar seus processos, métodos e práticas para adquirir um crescimento grande e em curto espaço de tempo.

_

Esse post foi produzido pela equipe da Rock Content.

Comente este artigo

Populares

Topo