X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Destaques

Jobs, Gates e Zuckerberg

Steve Jobs, Bill Gates e Mark Zuckerberg

Saiba o que Gates, Jobs e Zuckerberg têm em comum aqui no Jornal do Empreendedor.


Segue um texto interessante escrito pelo Superintendente da FECAP, Sr.Luiz Guilherme Brom e encaminhado pela leitora Iael Lukower.

Steve Jobs, Bill Gates e Mark Zuckerberg parecidos?

Steve Jobs, Bill Gates e Mark Zuckerberg tem algo em comum.

Na década de 1970 havia uma crença arraigada na área da informática: computador seria sempre uma máquina de grande porte e destinada exclusivamente ao uso empresarial. Então com 20 anos de idade, Steve Jobs funda a Apple, juntamente com Steve Wozniak, na garagem da casa de seus pais na Califórnia. A Apple criou um conceito inverso à ideia predominante da época: computador poderia ser uma máquina de pequeno porte, a ser utilizado por qualquer pessoa. Tal concepção pegou no contrapé a empresa líder do setor na época: a toda poderosa IBM, que demorou a perceber a mudança e pagou caro por isso. A Apple, por seu lado, se tornou uma das maiores empresas do mundo.

Apostando forte em software quando todas as atenções se voltavam para o hardware, Bill Gates cria o sistema operacional MS-DOS na década de 1980, cuja interface gráfica dá origem ao Microsoft Windows, hoje o sistema operacional mais utilizado em todo o mundo. Amigável, fácil de operar, o Windows de Bill Gates derruba outra crença arraigada naqueles tempos, que dizia que a operação de computadores era coisa para técnicos e profissionais de informática. Hoje, qualquer criança sabe que isso não é verdade.

Marck Zuckerberg, nascido em 1984, criou o Facebook, hoje um estrondoso sucesso com mais de 500 milhões de usuários. O que atrai tantas pessoas? Provavelmente não há uma única razão. O que se percebe, todavia, é que a vida cotidiana e privada das pessoas é plena de boas histórias. Ou seja, as pessoas comuns também produzem notícias interessantes. Com isso, a velha mídia, que se imagina proprietária do que é interesse dos outros, desmorona em todo o mundo.
“[…] a vida cotidiana e privada das pessoas é plena de boas histórias. Ou seja, as pessoas comuns também produzem notícias interessantes. Com isso, a velha mídia, que se imagina proprietária do que é interesse dos outros, desmorona em todo o mundo”

O Facebook permite isso: que as pessoas divulguem suas ideias a redes de amigos, fatos e acontecimentos que são às vezes, muito mais interessantes que os conteúdos de jornais. É possível então traçar um paralelo entre o Facebook e a obra “História da vida privada” dos historiadores franceses Philippe Ariès e Georges Duby, também um enorme sucesso editorial no mundo todo. Exatamente porque Ariès e Duby resgataram a história da vida cotidiana das pessoas em diferentes épocas da história. Vida cotidiana plena de riqueza e jamais retratada nos livros clássicos de história.

O fato é que, além de bilionários, Jobs, Gates e Zuckerberg têm algo em comum: foram contra o pensamento predominante. Mais importante do que novas tecnologias, eles trouxeram novas formas de ver as coisas, contrariando o que acreditavam as pessoas.

Luiz Guilherme Brom é doutor em Ciências Sociais e diretor superintendente da Fecap (Escola de Comércio Álvares Penteado).

http://blogeducacaoeprofissao.blogspot.com/

Comente este artigo

Populares

Topo