X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Destaques

Modernização chega às casas de farinha potiguares


Brasília – A recuperação de unidades tradicionais de produção de farinha de mandioca em Brejinho (RN) garante renda para os produtores e, ao mesmo tempo, mantém viva a memória local. O projeto de recuperação das casas de farinha é promovido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte e já transformou 15 unidades familiares do estado.

O trabalho desenvolvido pela instituição de apoio à micro e pequena empresa (MPE) adapta as casas de farinha ao regulamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de 1997, que estabelece os requisitos essenciais de higiene e boas práticas na fabricação de alimentos para o consumo humano. Os cuidados incluem armazenamento, desinfecção, manipulação, prevenção de acidentes, dentre outros.

A grade maioria das unidades familiares da região ainda trabalha na informalidade e em desconformidade com a legislação, o que atrapalha o desenvolvimento da atividade tradicional. “O problema é que a adaptação exige investimentos. Mas, em contrapartida, as empresas que mudam também ganham porque abrem mercado, o que significa renda e emprego na localidade”, diz Fernando Medeiros, gestor do projeto Mandiocultura do Sebrae no estado. 

O processo de recuperação é realizado em três fases. Na primeira, a estrutura das unidades é adaptada, o que inclui reforma ou até mesmo a construção de prédios. A segunda fase é de capacitação dos manipuladores, isto é, de quem vai mexer com o alimento em toda a cadeia produtiva – é voltado à higiene. A terceira e última fase, é focada no mercado, com criação e fixação da marca e produção de embalagens, que devem trazer informações nutricionais.

Fernando Medeiros aponta, entre as vantagens de quem se adaptou às normas, o maior poder de negociação na hora de vender o produto. “O comprador sabe que o produto segue os padrões de higiene exigidos”, conta ele. “Até mesmo as grandes compradoras de farinha, que costumam achatar o preço, acabam remunerando melhor o produto da casa de farinha que segue as regras da Anvisa”, aponta o colaborador do Sebrae.

Pedro Gonçalves do Nascimento, de 70 anos, é morador antigo de Brejinho e aprendeu com o pai a técnica da transformação da raiz da mandioca, planta nativa da América do Sul, numa das farinhas mais tradicionais da culinária brasileira. Quase que a vida toda ele trabalhou na informalidade e produziu de acordo com a tradição. Quando começou a ter dificuldades para vender seu produto, foi convencido pelos técnicos do Sebrae de que era vantajoso investir na adaptação da unidade.

Preço justo

“Vendi uns bois e juntei umas economias. Investi mais de R$ 100 mil na casa de farinha”, conta com forte sotaque regional. Apesar do alto investimento, o produtor de farinha só vê vantagens. “O prédio ficou muito bonito, novinho, dá gosto. Trabalhamos tranquilos, sem medo da fiscalização, além de conseguir um preço mais justo. Meu produto é muito bem aceito na região”, conta ele.

Os bons resultados alcançados pela casa de farinha de seu Pedro, que tem 20 empregados, chamou atenção da concorrência e muitos produtores já começaram a adaptar suas unidades. “Ninguém quer ficar para trás”, avalia. Ele não teme a concorrência, pelo contrário. “Se todo o mundo fizer certinho, nosso produto ganha nome e podemos ganhar com isso” avalia o homem que a vida toda teve na lida da farinha de mandioca o meio de vida. 

Serviço:
Agência Sebrae de Notícias
(61) 3243-7851 /  3243-7852 / 2104-2771 / 2104-2775 / 9977-9529
Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800
www.agenciasebrae.com.br
www.twitter.com/sebrae
www.facebook.com/sebrae

Via RSS de RSS Feeds – Agência Sebrae de Notícias

Leia em RSS Feeds – Agência Sebrae de Notícias

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo