X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Destaques

“The Filter Bubble” – O que a internet está escondendo de você?

The filter bubble no jornal do empreendedor

O livro “A Bolha de Filtro” obriga um mergulho profundo na edição invisível algorítmica na web, um mundo onde estamos sendo mostrados mais do que os algoritmos pensam que nós queremos ver e menos do que deveríamos ver. Veja uma excelente palestra e uma entrevista exclusiva de Eli Pariser. Aqui no Jornal do Empreendedor.


thefilterbubble e

A web nos dá o que queremos ver, e isso não é necessariamente uma coisa boa.

Muitos de nós estamos conscientes de que nossa experiência na web é algo personalizado pelo nosso histórico de navegação, gráfico social e outros fatores. Mas esse tipo de informação, adequando ocorre em um nível muito mais sofisticado, mais profundo e abrangente do que ousamos suspeitar.

Você sabia que o Google leva em consideração 57 pontos de dados individuais antes de servir os seus resultados de procura?

É exatamente isso que Eli Pariser, fundador do grupo de defesa de políticas públicas MoveOn.org, explora em seu fascinante e potencialmente perturbador, o novo livro, The Bubble Filter.

O livro “The Bubble Filter” (A Bolha de Filtro) obriga um mergulho profundo na edição invisível algorítmica na web, um mundo onde estamos sendo mostrados mais do que os algoritmos pensam que nós queremos ver e menos do que deveríamos ver.

Veja Eli em uma das melhores palestras no TED e uma entrevista sobre o que exatamente é a bolha de filtro, o quanto devemos nos preocupar com o Google, e qual a nossa responsabilidade como curadores e consumidores de conteúdo. Vale à pena conferir:

“O objetivo principal de um editor é ampliar o horizonte do que as pessoas estão interessadas e sabem. Proporcionar as pessoas o que elas pensam que querem, é fácil mas também não é muito satisfatório. Grandes editores são como grandes casamenteiros: eles apresentam às pessoas novas maneiras de pensar, e elas se apaixonam “~ Eli Pariser.

O que é exatamente a “bolha de filtro”?

EP: A bolha de filtro é o universo de informações pessoais que você vive “on line” – original e construído especialmente para você pela matriz de filtros personalizados da web.

O Facebook contribui com coisas para ler e atualizações de amigos, o Google nas suas consultas de pesquisas e Yahoo News e Google News adequam as suas notícias.  A bolha de filtro, é prática, cheio de coisas prontas para clicar. Mas também é um problema real: o conjunto de coisas que estão disponíveis para clicar como (fofocas, sexo, coisas que são altamentes relevantes e pessoais) não são necessariamente o que precisamos saber.

Como surgiu essa  idéia de investigar sobre  isso?

EP: Eu me deparei com um post no blog do Google que declarava que a pesquisa era personalizada para todos, e isso, se fixou na minha mente.

Eu não tinha idéia de que o Google foi adaptando seus resultados de busca em todos uma base individual.  O último que eu vi estava mostrando a todos a mesma “autoridade” de resultados. Eu saí do meu computador e tentei fazer com um amigo, e os resultados foram quase que totalmente diferentes. E então descobri que o Google estava longe de ser a única empresa que estava fazendo isso. Na verdade, de uma forma ou de outra, são quase todos os principais sites (Wikipédia é uma notável exceção).

thefilterbubble e

Em uma época de sobrecarga de informação, algoritmos certamente encontram as mais relevantes informações sobre o que já estamos interessados. Mas são os curadores humanos que nos apontam para tipos de coisas que não sabíamos que estávamos interessados até, bem, até estar.

thefilterbubble e

Quanto o Google realmente sabe sobre nós, em termos práticos, e – mais importante – o quanto devemos nos preocupar?

EP: Isso depende de quanto você usa o Google – sobre mim, ele sabe muito. Basta pensar: ele tem todo o meu e-mail, não só tem tudo que eu escrevi para os amigos, tem um bom senso de quem eu estou conectado. Ele sabe tudo o que eu tenho procurado nos últimos anos, e provavelmente quanto tempo demorou entre a busca de algo e clicar no link. E mesmo que você não está conectado, há 57 sinais de dados de cada usuário.

thefilterbubble e

Na maioria das vezes, isso não tem muita conseqüência prática. Mas um dos problemas com esse tipo de consolidação em massa é que por exemplo o Goggle conhece, qualquer governo que é amigo do Google pode conhecer,também. E empresas como a Yahoo entregam muitos dados para o governo dos EUA sem nenhuma intimação.

Eu também acredito que há um problema básico com um sistema em que o Google tem bilhões de dados que lhe damos sem nos dar muito controle sobre como ela é usada, ou até mesmo o que é.

Você acha que nós, como editores e curadores, temos uma certa responsabilidade cívica para expor ao público os pontos de vista e informações que estão fora de suas zonas de conforto, ou melhor deixar as pessoas aliviadas com pontos de dados conflitantes?

EP: De certa forma, eu acho que é o principal objetivo de um editor é ampliar o horizonte do que as pessoas estão interessadas e o que as pessoas sabem. Proporcionar as pessoas o que pensam que elas querem é fácil, mas também não é muito satisfatório: a mesma coisa, uma vez e outra. Grandes editores são como casamenteiros grande: eles introduzem as pessoas as novas maneiras de pensar, e eles se apaixonam.

É possível conciliar a personalização e privacidade? Quais são algumas coisas que podemos fazer em nossas vidas digitais para obter um equilíbrio ideal?

EP: Bem, a personalização é uma espécie de privacidade virada do avesso: O problema não é controlar o que o mundo sabe sobre você, mas o que você consegue ver do mundo. Deveríamos ter mais controle sobre isso – uma das coisas mais perniciosas sobre a bolha do filtro é que o que está acontecendo é invisível – e devemos exigir isso das empresas que usamos. (Eles tendem a argumentar que os consumidores não se importam – devemos deixá-los saber o que fazemos).

No nível individual, penso que se trata de tomar diferentes percursos para conseguir informações.

A razão é simples: Ratos correm sempre o mesmo percurso, muitas vezes, várias vezes ao dia. Coloque uma armadilha ao longo desse percurso, e é muito provável que o rato vai cair nela.

Assim, a moral aqui é: não seja um rato. Varie a sua rotina online, ao invés de retornar aos mesmos sites todos os dias. Não se trata apenas de vivenciar diferentes perspectivas e idéias e pontos de vistas seja melhor para você. A serendipidade pode ser um atalho para a alegria.

Mais informações no site:

http://www.brainpickings.org/index.php/2011/05/12/the-filter-bubble/

Comente este artigo

Populares

Topo