X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Charlie Charlie: demônio mexicano, brincadeira de criança ou viral que deu certo?


A lenda urbana do demônio mexicano Charlie deixou jovens perplexos e assustados — e até enviou alguns para hospitais. Mas a brincadeira que fez milhares de adolescentes compartilharem a hashtag #CharlieCharlieChallenge parece ser mais um viral de internet – desta vez feito para divulgar um novo filme de terror.

A brincadeira se popularizou na internet nos últimos dias com a hashtag #CharlieCharlieChallenge — mais de dois milhões fizeram posts com ela nos dois primeiros dias. A brincadeira consistia em “invocar” um demônio chamado Charlie para que ele respondesse perguntas.

E para invocá-lo não é preciso matar um bode nem nada: os participantes desenham uma cruz no centro de uma folha de papel, escrevem uma resposta em cada quadrante e posicionam um lápis sobre o outro em cada uma das linhas. Criado altar de invocação, os participantes chamam pelo demônio mexicano Charlie dizendo a frase “Charlie, Charlie, você está aí?”. E aí, graças ao pequeno fenômeno da gravidade, o lápis superior se move, girando para uma das respostas escritas anteriormente.

A adrenalina de “invocar” um demônio e o susto causado pelo lápis mexendo “sozinho” talvez faça os participantes esquecerem deste pequeno detalhe que é a gravidade — e depois de passado o susto, eles, obviamente, correm para para postar o experimento na internet:

Paranormal Blactivity #charliecharliechallenge https://t.co/BkjtiIJvpf

— ¯_( 少 )_/¯ (@YungGaviano) May 29, 2015

Wait for it… #charliecharliechallenge pic.twitter.com/XOvt5NTnaj

— Sesth Shah (@sesthshah) May 27, 2015

THIS IS SO FUNNY IM LAUGHING SO HARD #charliecharliechallenge pic.twitter.com/FVsqiRFwwO

— Safa. (@safxxa) May 27, 2015

Mas alguém caiu nisso mesmo?

Caiu e caiu bastante. Além dos milhares postando a hashtag na internet, uma escola no Manaus, no Amazonas, por exemplo, foi um pouquinho além de apenas postar um vídeo com gritinhos — uma aluna fez a brincadeira do lápis e o desespero foi tanto que uma estudante precisou ser socorrida pelo SAMU.

No dia seguinte, a Polícia Militar cercou a escola enquanto pais, professores e o conselho tutelar discutiam o acontecimento. Você pode ver a reportagem sobre este caso em Manaus aqui.

Nós com mais idade, nascidos entre a década de 1980 e 1990, podemos não ver muita graça nesse desafio, mas nós também tivemos nossa #CharlieCharlieChallenge: a brincadeira do copo. Lembra dela? O medo, a adrenalina, tudo isso que a gente sentia fazendo a brincadeira do copo é igual ao que essa geração passa o desafio do demônio mexicano.

Ok, já sei que não é demônio, mas por que ela é tão popular?

Jovens. Precisa de algo mais que isso? Tentamos identificar a origem da brincadeira em outra matéria — descobrimos relatos sobre um fantasmas chamado Charlie em postagens pela internet datadas em 2008.

A BBC lembra que nunca existiu nenhum demônio chamado Charlie na mitologia mexicana. Os personagens dessa cultura têm, inclusive, nomes bem mais complexos, como Tlaltecuhtli e Tezcatlipoca. Nada do que descobrimos deixava muito clara qual era a origem da brincadeira. Até então.

Don't say his name. #CharlieChallenge #TheGallows pic.twitter.com/VKorz0n86x

— The Gallows (@TheGallowsMovie) May 27, 2015

Ao que tudo indica, o desafio não passa de uma campanha de marketing para divulgar o filme de terror A Forca — no filme, alunos são assombrados pelo espirito de um garoto que morreu dentro da escola anos atrás. E adivinha o nome dele? Charlie.

A Forca (The Gallows, 2015) tem a mesma produção de Jason Blum, produtor do primeiro Atividade Paranormal (2007). Ele estreia mês que vem nos EUA. Veja o trailer abaixo:

Hoje, precisamos desconfiar que tudo na internet é um viral. Porque no fim das contas, é bem provável que seja mesmo.

Imagem via CinematicAction/YouTube

O post Charlie Charlie: demônio mexicano, brincadeira de criança ou viral que deu certo? apareceu primeiro em Gizmodo Brasil.

aae GhxzfIYIho

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo

Populares

Topo