X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Google está disposto a estragar o YouTube para lançar streaming de música


É oficial: o Google está prestes a arruinar (mais?) o YouTube. Um executivo da empresa diz ao Financial Times que começará a bloquear vídeos de gravadoras que se recusam a assinar um acordo de licenciamento. Esse acordo serve para criar um novo serviço de streaming de música. É uma investida lamentável, ameaçando o que torna o YouTube um lugar tão especial.

Há tempos, correm rumores de que o Google criará um serviço de streaming de música baseado no YouTube. Aparentemente, haverá uma versão gratuita e outra paga, que pode remover os anúncios do site. De acordo com vazamentos, ele deve se chamar YouTube Music Pass.

Queda-de-braço

Infelizmente, em um esforço para lançar o serviço, o Google apelou para uma queda-de-braço. Segundo o Financial Times, a empresa assinou acordos com as três principais gravadoras (Sony, Warner, Universal) e várias independentes, o que engloba 95% da indústria da música.

O problema está nos planos do Google para os outros 5%. Robert Kyncl, chefe de conteúdo do YouTube, diz ao FT que planeja começar a bloquear “em questão de dias” os vídeos de gravadoras independentes que não assinaram o acordo de licenciamento. Segundo o FT, trata-se de gravadoras como XL Recordings e Domino Records, cujos artistas incluem Adele, Animal Collective, Arctic Monkeys e vários outros.

Em declaração ao Gizmodo, o Google confirmou a reportagem do FT, bem como suas intenções de lançar um serviço baseado em assinatura:

“… vamos adicionar ao YouTube funcionalidades de assinatura baseadas em música, para trazer novas fontes de receita aos nossos parceiros de música, além das centenas de milhões de dólares que o YouTube já gera para eles a cada ano. Estamos muito animados que centenas de gravadoras – tanto as grandes quanto independentes – já estão em parceria conosco.”

Algumas gravadoras se recusaram a participar, dizendo que o Google ofereceu pagar muito pouco, enquanto as grandes gravadoras negociaram contratos lucrativos. É direito delas não quer se inscrever, mas por causa disso, os vídeos delas terão que ser removidos do YouTube.

de ZNuvFlLkIA

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo

Populares

Topo