X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Ícone da pirataria, Napster deixa de existir


Quem não se lembra do Napster? Lançado em 1999, ficou popular no início dos anos 2000. Com ele dava para baixar e compartilhar músicas em MP3. Um sonho para uma banda larga que, naquela época, engatinhava nos 300 kbps ou 500 kbps no meu Rio de Janeiro. Eis que, em 2011, o Napster deixa de existir como conhecemos. Nem o nome “Napster” vai permanecer, depois de uma migração em massa das contas para outro serviço.

O Napster está se tornando Rhapsody. O serviço já existia antes, e copia o agora padrão modelo de negócios no qual você paga um valor mensal para escutar tantas músicas quantas quiser, com direito a criar listas de reprodução e socializar com os demais usuários. Por US$ 10 mensais, o Rhapsody permite acesso ilimitado a todo o acervo musical de que eles dispõem.

Compradora do Napster em 2008, a Best Buy (sim, a cadeia de lojas nos Estados Unidos) bem que tentou transformar o serviço em um negócio rentável. O Napster brigou muito com a justiça americana para se manter, inclusive adotando a ideia de vender músicas sob assinatura. No fim das contas, sai de cena para uma nova forma de cobrança que parece estar dando mais certo. Afinal, Rdio, Spotify e Pandora (entre outros) são casos de sucesso justamente reproduzindo essa tática da indústria.

cf BMvehzgsw

Via RSS de Tecnoblog

Leia em Tecnoblog

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo