X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Campus Party 2013: Os melhores apps gratuitos para observar o céu


Na Campus Party 2013, Marcos Calil falou um pouco sobre seus aplicativos favoritos para ajudar na observação do céu. Professor da UNINOVE e Coordenador Científico do Planetário Johannes Kepler (Santo André – SP), fez questão de ressaltar que sem conhecimento estes Apps de nada servem:

“Por mais que você consiga identificar as coordenadas principais (com os apps), o uso de aplicativos acaba dando uma emburrecida no cérebro (sic) porque muitos conceitos ficam de lado. É interessante ter conteúdo e estudar, pesquisar. No começo eu observava tudo na raça, com poucas ferramentas.”

O professor, que presta consultoria de astronomia para o ClimaTempo, passou uma lista com os melhores aplicativos para observar o céu:

  • SkEye: Semelhante ao Google Sky Map, ajuda na identificação de estrelas e outros objetos com um mapa astronômico. Também pode ser utilizado como guia para telescópio.
  • Meteor Shower Calendar: Interface clara que mostra quando ocorrerão as próximas chuvas de meteoros. Segundo Calil, “Todo mês acontecem 5 ou 6 chuvas de meteoros, algumas são mais intensas, como a Leonid”.
  • SatTrack: Passa coordenadas sobre satélites artificiais, mostrando com precisão os horários em que eles aparecerão, brilho máximo e desaparecerão no céu de uma determinada região. Segundo Marcos, é possível observar estes satélites a olho nu.
  • AstroClock LWP: Mostra posições de planetas em tempo real.

Enquanto isso, Gustavo de Araujo Rojas, Representante do European Southern Observatory Science Outreach Network no Brasil e responsável por parte das atividades de divulgação científica do Laboratório Aberto de Interatividade da UFSCar, diz que há um problema em astronomia: a educação básica no assunto não é apropriada. Um clássico exemplo desta deficiência é a explicação sobre as estações do ano, onde muitos professores ensinam que o verão acontece pois a Terra está mais próxima do Sol.

Ainda pensando em divulgação científica, o professor citou dois sites onde o público em geral pode colaborar com pesquisas. Ambos funcionam como redes sociais, pois há cadastro e uma comunidade de entusiastas por ciências acaba por se formar:

“Dentro do Zooniverse há vários programas, como o Galaxy Zoo, que reúne diversos tipos de imagens de galáxias que os usuários podem classificar. Também é possível estudar o terreno da Lua, as explosões do Sol e até mesmo encontrar exoplanetas”

Rojas ressalta a necessidade de alunos de todas as idéias para colaborar com a classificação de imagens para pesquisas:

 

“(Para classificar imagens) Basta você ter boa vontade e gostar do que está fazendo. A quantidade de dados é muito grande e não há profissionais suficientes para classificá-las”

Para finalizar as apresentações, Dulcídio Braz, Físico do IFGW/Unicamp e apaixonado pela educação, disse que o uso de Apps pode ser muito útil em sala de aula. O professor disse que seus aplicativos favoritos demonstram as Leis de Kepler e o Modelo de Bohr.

Responsável pelo Blog Física na Veia desde 2004, Dulcídio recomenda o aplicativo Exoplanet, onde é possível reconhecer exoplanetas de acordo com padrões estelares.

Durante a mesa redonda, os professores deixaram bem claro a necessidade de estudos prévios, melhorias no ensino e o uso de aplicativos somente como uma ajuda na observação e educação. Por outro lado, os professores enfatizaram a importância do uso das redes sociais e até recomendaram alguns perfis no Twitter que são legais de seguir: @Prof_Silvestre, @MarcosCalil e Sabina.Planetario no Facebook. Também é possível acompanhar o blog Paideia e ouvir os podcasts gravados por ele. Ou acompanhar o site de Marcos Calil, Momento Astronômico.

Foto de Capa por Ana Mões.

efb Sae Kcw

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo