X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Empreendedores culturais buscam internacionalizar serviços


Apoiados pelo Sebrae, eles participam de capacitação, em Brasília, para evento que acontece em maio, na Argentina

Empreendedores culturais de todo o Brasil estão buscando formas de internacionalizar os seus serviços e fazer negócios além das fronteiras nacionais. Com apoio do Sebrae, eles se preparam para participar do 1º Mercado de Indústrias Culturais do Sul (MICSul), que acontece de 13 a 18 de maio, em Mar del Plata, na Argentina. São donos de micro e pequenas empresas nas áreas de jogos digitais, aplicativos, artes cênicas (dança, circo e teatro), audiovisual, design, moda, artesanato, literatura e música, que levarão seus produtos e serviços para o país vizinho na tentativa de negociá-los com outros empresários de dez países da América Latina e da Ásia, Europa e América do Norte.

O Ministério da Cultura selecionou, por edital, 105 empresários brasileiros da área para ir até o MICSul trocar experiências e tentar fazer negócios com outros empresários da área. Cerca de 80 deles se reuniram em Brasília (DF), nessa quinta (24) e sexta-feira (25), para participar de um workshop sobre internacionalização dos empreendimentos, uma preparação para o MICSul.

No workshop, organizado pelo Sebrae e pelo MinC, os empreendedores assistiram palestras sobre iniciativas de difusão internacional da cultura brasileira, financiamentos e mecanismos de apoio para a exportação de serviços e a importância de estarem preparados para o mercado internacional. Na manhã desta sexta, os participantes receberam informações sobre como fazer negócios no exterior e simularam uma rodada de negócios.

“A Economia Criativa é um dos segmentos do setor de Serviços que é prioridade para o Sebrae. E preparar os empreendedores para participar de rodadas de negócios é fundamental para a abertura de mercado e a consolidação do pequeno negócio no mercado nacional e internacional, o que é uma oportunidade de difusão da cultura brasileira no exterior e posicionamento do país nesse segmento”, afirma a gerente adjunta de Comércio e Serviços do Sebrae, Ana Clévia Guerreiro.

Oportunidade que Fábio Batista, de 33 anos, coreógrafo e diretor da Companhia de Dança Clann, do Rio de Janeiro, pretende aproveitar. A companhia de dança contemporânea, formada há três anos por seis garotos negros, montou um espetáculo batizado de Pele e vai tentar vendê-lo no MICSul para curadores de festivais e centros culturais. “Fazemos cerca de seis apresentações por ano, mas estamos procurando maneiras de tornar a companhia sustentável. Esperamos entrar de vez no mercado”, afirma.

Informações Agência Sebrae

Tags: 

Via RSS de Empreendedor

Leia em Empreendedor

Comente este artigo

Populares

Topo