X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Jogos na App Store brasileira: que bruxaria é essa?


Desde que a App Store surgiu em 2008, gamers brasileiros (um grupo já acostumado a complicações e dificuldades arbitrárias) foram recepcionados com mais um empecilho: a loja tupiniquim de apps não oferecia games.

O impasse, mal compreendido por muitos, obrigava nossos compatriotas a apelar para gambiarras como declarar-se argentino (!) e abrir uma conta na loja da App Store dos hermanos. E, em alguns outros casos (que levantem as mãos os infratores), isso servia como mais um pretexto pra piratear os games. Já não era mais uma questão de falta de dinheiro, argumentavam alguns: a chateação de ter que fazer esses malabarismos tornava-se quase uma justificava para obter os games por outras vias.

De onde vinha essa complicação, afinal? A falta de games na App Store nunca foi satisfatoriamente explicada, na minha opinião, o que levava muita gente a descer a lenha na Apple, e um grupo igualmente grande a esculhambar nosso governo (que, apesar de nenhuma maravilha, não era o único culpado na situação). A culpa, na realidade, não se devia unicamente a nenhuma das duas organizações. Foi um conjunto de fatores.

Tudo começou em 2006, com a portaria nº 1.100 do Ministério da Justiça.  Tal portaria definiu as categorias de classificação indicativa que toda “obra audiovisual destinada a cinema, vídeo, DVD e congêneres” deve se submeter para que possa ser disponibilizado para crianças e adolescentes. Até RPGs (os tradicionais, de papel e lápis) entram no balaio.

Uma vez que a portaria entrou em vigor, o MJ tornou-se responsável por regularizar o negócio. Até recentemente eu acreditava que a coisa tava na mão do Ministério Público; fui corrigido há pouco tempo pelo nosso intrépido editor.

E aí começa o problema. Obras produzidas no Brasil (ou disponibilizadas aí por empresas com representação nacional, como é o caso de filmes de cinema) podem ser avaliadas de acordo com os critérios exigidos pela portaria. Mas e games produzido por empresas independentes sem qualquer presença nacional? Eles não têm classificação específica para a legislação brasileira, naturalmente.

A culpa não é apenas da nossa histórica burocracia governamental, como eu mesmo às vezes sintetizei erroneamente. Um método de controle de conteúdo pra molecada é necessário, a despeito do fato de que isso acaba complicando a vida de gente que deixou de ser criança há mais de uma década.

O que acontece é que a Apple poderia ter simplesmente adotado nosso método de classificação para uma área de jogos na App Store brasileira. Pesquisei bastante mas não consegui encontrar um motivo válido que impediu a Apple, por tanto tempo, de adotar a nossa métrica de censura. Acho que posso jogar na conta do “a Apple é teimosa mesmo e é isso aí”, que já é responsável por tantas outras decisões da empresa.

Ao que me parece, esse é o mecanismo usado pela empresa de Cupertino para finalmente liberar jogos para o público brasileiro: eles deram aos games classificação concordante com a portaria de 2006. O que indica, entre outras coisas, o quão arbitrária tal classificação é: basta o vendedor (no caso, a Apple) “chutar” a classificação e tá bom o bastante pro MJ…? Eu suspeito que eles não se encarregarão de conferir os jogos um por um pra averiguar se as classificações estão apropriadas. Enfim.

Até semana passada, eu imaginava que os jogos teriam que ser, um a um, submetidos para avaliação do Ministério da Justiça por meio de um representante nacional das gamehouses. Existem indícios de que isso aconteceu, aliás:

cc CgnhxrveI

Via RSS de Tecnoblog

Leia em Tecnoblog

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo