X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Mão biônica de código aberto torna próteses mais acessíveis do que nunca


Há uma geração, adequar um membro protético geralmente significava ter uma peça de plástico pesada e quase inútil presa ao corpo. Mas mãos biônicas — como a que usamos para ilustrar essa matéria — mostram como essa realidade pode mudar rápido.

O HACKberry, uma ideia da empresa japonesa exii, quer ser a mudança para aqueles que precisam de um braço. O membro biônico, cujo design e código-fonte estão disponíveis gratuitamente, utiliza um smartphone como cérebro e usa baterias de câmeras para funcionar.

A maior parte do dispositivo é composto por peças feitas em impressora 3D, que podem ser retiradas e trocadas. Ao estimular transparência e abertura em todos os aspectos do desenvolvimento, a exii espera ganhar a atenção da comunidade criadora e trazer inovações de forma mais rápida.

Entre as características impressionantes da mão biônica estão os dedos e pulsos flexíveis, que permitem a quem vesti-la fazer movimentos extraordinariamente expressivos, como segurar objetos pequenos, folhear revistas e até amarrar sapatos.

Apesar de o modelo ainda não estar à venda, o protótipo custa cerca de US$ 300 para produzir. Mesmo se uma versão futura chegar ao mercado com um preço bem maior, ainda será muito mais em conta que outras próteses.

E ela também tem um visual superfuturista:

bce DhhCQns

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo

Populares

Topo