X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Negócios feitos de trocas


A cultura do compartilhamento é uma velha conhecida dos internautas. Baixar músicas e filmes, disponibilizar vídeos e textos para trocas, fazer downloads e uploads são práticas comuns no universo virtual. Como ideia de negócio, o ato de compartilhar é algo relativamente novo, mas que ganha cada vez mais adeptos. Neste post, apontarei alguns exemplos de iniciativas que parecem indicar um novo caminho para os empreendedores: o do compartilhamento como forma de fazer negócio.  

As inovações de maior destaque parecem ser aquelas que têm o compartilhamento em sua essência. Nos Estados Unidos, a empresa Zipcar ganhou fama por compartilhar carros. No Brasil, em São Paulo, a Zazcar faz o mesmo. Escritórios de co-working começam a pipocar nas grandes metrópoles oferecendo um novo jeito de trabalhar. As pessoas dividem o mesmo espaço. Lado a lado, profissionais de diferentes áreas também compartilham seus saberes, colaborando uns com os outros na realização de novos negócios.

O compartilhamento ganha adeptos até no segmento de luxo. No Brasil, há empresas – como a Four Private Motorinvest – que oferecem serviços de compartilhamento de Ferraris, jatinhos e grandes iates. No grupo GTClub, por exemplo, há cinco carros disponíveis para os membros. Assim, em cada dia da semana uma pessoa fica com um veículo diferente.

O que os criadores desses empreendimentos mais querem é explorar a conexão entre as pessoas. A ideia é que o cliente consuma mais e compre menos.

Além do compartilhamento gerar boas ideias de negócios, também proporciona alternativas para viabilizar empreendimentos culturais. O crowdfunding – como lembrou Diego Reeberg em comentário ao post que fiz sobre iniciativas culturais – é um novo formato de financiamento a projetos de arte e cultura que funciona a partir da colaboração entre as pessoas. O Kickstater e o Catarse, esse último no Brasil, possibilitam que cineastas, músicos, jornalistas e outros profissionais consigam doações para os trabalhos que querem colocar em curso. Em troca, compartilham com os internautas as ideias do projeto.

No mundo digital, o compartilhamento costuma vir acompanhado de outra prática, a da colaboração. Ela está na essência do software livre, um movimento que surgiu no início dos anos 80. Nele, as ideias são livres para serem aperfeiçoadas e redistribuídas. Os programas de computador de código aberto possibilitam que muitos programadores se tornem empreendedores, já que podem criar e utilizar livremente as plataformas digitais desenvolvidas pela comunidade de software livre.

Hoje, autores de textos, fotos, músicas e vídeos compartilham suas obras em sites e blogs. Novas licenças para a reprodução e distribuição de obras – como o Creative Commons – foram criadas justamente para viabilizar essa nova forma de circulação de obras autorais.

Voltando ao início do post, apesar de terem se tornado práticas comuns no Brasil, baixar músicas, filmes e outras obras pela internet não é permitido por nossa legislação. Tal situação levou o governo e a sociedade civil a iniciarem um debate sobre a reforma da Lei do Direito Autoral. No centro da discussão, está a busca pelo equilíbrio entre garantir ao autor os direitos sobre sua obra e garantir à população o direito ao acesso à informação e ao conhecimento – acesso esse que é a base para as práticas de troca na internet.

E você, empreendedor, conhece mais caminhos desse novo mundo, feito de compartilhamento? O que acha dele?

Via RSS de Papo de Empreendedor

Leia em Papo de Empreendedor

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo