X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Novidades pela net

Tristeza da MWC: constatar que a HTC saiu do Brasil no pior momento possível (para o consumidor)


Quando nossos comparsas do Gizmodo americano tiveram um encontro com o HTC One, no dia de seu lançamento, eu fiquei um tanto impressionado com as reações: no meio de um mar de aparelhos com especificações enormes e telas ainda maiores, o aparelho da empresa taiwanesa foi chamado de “o jeito certo de se fazer um smartphone”. Hoje, eu comprovei que isso é verdade — e aproveitei o aparelho em mãos para bater com ele na minha testa e dizer “POR QUE HTC? POR QUE VOCÊ FOI EMBORA DO BRASIL?”

O HTC One é realmente um aparelho incrível: a construção é impecável e ele tem uma pegada ótima para um aparelho de 4,7 polegadas — com o melhor formato que já vi para uma grande tela como essa. Para efeito de comparação, não ficava empolgado com um smartphone assim desde meu primeiro encontro com o Galaxy S III — de lá para cá, o Nexus 4 e o iPhone 5 chamaram minha atenção também, mas me refiro à sensação de que “algo muito, muito sensacional” está acontecendo. Este é o One, exatamente como falamos no hands-on. Para completar, as modificações no Android estão melhor do que nunca — e a HTC ainda é a única empresa que justifica o uso extenso de skins.

E aí me lembrei daquele fatídico 21 de junho do ano passado, quando ficamos sabendo que a HTC fecharia as portas no Brasil. A notícia pegou muita gente de surpresa, e a empresa argumentou que diria adeus aos mercados em que não conseguia muito market share — na mesma época, ela fez a mesma coisa na Coreia do Sul. Mas, calma lá, o mercado brasileiro é realmente menor do que 80 países, número de nações em que a empresa pretende lançar o HTC One? Há realmente mais espaço na Argentina (um mercado extremamente fechado de smartphones), na Venezuela (dominada completamente pelo BlackBerry) e no Peru do que no Brasil?

Os chefões da empresa acharam que sim, mas creio que eles ignoraram alguns fatores: sim, o market share da HTC era bem pequeno, mas isso estava completamente atrelado aos lançamentos da empresa por aqui. Depois de uma enxurrada de Windows Mobile em 2007 e 2008, a empresa lançou esparsos aparelhos com Android — a maioria modelos de entrada, sem trazer celulares que ditaram a tendência do sistema operacional por um bom tempo –, e teve como último grande lançamento o HTC Ultimate (que foi meu sonho de consumo por um tempo, mas a paixão platônica passou por causa do Windows Phone 7). Veja bem o hiato: por bons anos, a empresa deixou de investir no país e, logo, não conseguiu colocar o nome da marca na boca do consumidor. Ela foi incapaz de fazer o que a HTC faz na Europa, principalmente: uma combinação de bons lançamentos com boa publicidade, apresentando a marca de boa forma ao povo.

Até hoje, acho que a saída da empresa foi um tanto estranha e brusca, e ainda converso com algumas fontes para tentar descobrir se existiram mais razões para o êxodo. Por enquanto, o que me resta é essa reclamação: hoje, o HTC One é um dos aparelhos mais sensacionais que alguém poderia ter. Consumidores de 80 países terão essa opção. Mas nós, não. Infelizmente.

caba nzkGdPTmQPU

Via RSS de Gizmodo Brasil

Leia em Gizmodo Brasil

Comente este artigo
Comente este artigo

Populares

Topo