X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Empreendedorismo

Seu cliente espera de você um acordo de cavaleiros

Seu cliente espera de você um acordo de cavaleiros

A melhor maneira de fazer negócios hoje não é amarrando um cliente a um contrato. Mas sim, apresentando a ele um acordo de cavaleiros


A melhor maneira de fazer negócios hoje não é amarrando um cliente a um contrato. Mas sim, apresentando a ele um acordo de cavaleiros

Se você alugar um carro, pegar dinheiro emprestado ou participar de alguma transação complexa, há sempre um contrato para assinar.

Ele é cheio de regras e obrigações. Esse tipo de contrato, muitas vezes, evoluiu para uma batalha: um esforço para conseguir um compromisso e entregar o mínimo possível depois.

Lacunas e letras miúdas estão lá por uma razão, e não é para te fazer feliz. Contratos como esses são sobre o passado.

Um acordo de aperto de mãos, por outro lado, é sobre o futuro. Ambos os lados podem reivindicar lacunas ou esquivar-se de um compromisso, mas a consequência é clara: se você nos decepciona, não vamos voltar.

Quem faz um aperto de mãos está investindo no futuro, fazendo mais agora, em troca dos benefícios que a confiança e o prazer trazem daqui em diante.

Você pode escrever um acordo de aperto de mãos, com os tópicos chave de tudo que foi acordado em um e-mail. Afinal, e-mail também é documento.

Se o objetivo é encantar e exceder as expectativas, quanto mais claro formos sobre a expectativa, mais provável que possamos superá-las.

O único papel que um contrato pode ter hoje é isso: alinhar expectativas para que a sua empresa possa superá-las. Mas, um documento, um aperto de mãos, e um acordo de cavaleiros, também supre esse papel.

Afinal, quanto mais cordial e cavaleiro a sua empresa for em cumprir a sua parte do combinado, e trabalhar para exceder as expectativas do seu novo cliente, mais ele estará inclinado a indica-lo para novas oportunidades.

___

Este artigo foi adaptado do original, “Handshakes and contracts, the future and the past”, do blog do Seth Godin.

Comente este artigo

Populares

Topo