X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Jordan B Peterson
Motivação & Inspiração

Quem é Jordan B. Peterson

Jorge Concépcion faz uma introdução séria sobre o trabalho de Jordan B. Peterson, o psicólogo que está colocando fogo no debate político nos EUA.


Os vídeos do Dr. Jordan B. Peterson já foram assistidos mais de 38 milhões de vezes no YouTube. Seu canal tem cerca de 700 mil seguidores, e pelo menos 7 mil pessoas doam mensalmente, através da plataforma Patreon, algo em torno de 65 mil dólares para que uma série especial de aulas possa continuar a ser transmitida. Nos últimos meses Peterson se tornou uma espécie de celebridade digital highbrow disposta a debater onde é chamada, e pregar, contra as modas do tempo, uma palavra de responsabilidade pessoal e sinceridade. Seu livro mais recente, 12 Rules for Life: An Antidote to Chaos, é o 5º livro mais vendido na Amazon na data de publicação deste texto.

Psicólogo clínico e professor da Universade de Toronto, Peterson ganhou notoriedade quando em 2016 publicou três vídeos criticando o projeto de lei federal Bill C-16, que incorporava ao Ato de Direitos Humanos e ao Código Criminal Canadense proteções à “identidade de gênero” e à “expressão de gênero”. Os detalhes das políticas relacionadas a legislações similares, argumentava o prof. Peterson, eram perigosamente vagos e mal-formulados. Ademais, vocalizava sua recusa a, por força de lei, utilizar os pronomes artificiais e “preferidos” por indivíduos transgêneros que julgam não se encaixar nas categorias tradicionais de gênero — embora expressasse sua disposição para usar “ele” ou “ela” de acordo com a maneira que uma pessoa se apresentasse.

Logo a militância organizada universitária realizou, via protesto, a divulgação (de que agora deve se arrepender) do homem, até então desconhecido do grande público. Esse modo de operação, aparentemente da mesma ineficiência trágica em todo canto, não nos é estranho. Também em 2016 vimos, na internet e nas nossas universidades, alunos grevistas interrompendo aulas com cartazes e palavras de ordem berradas. O que não testemunhamos aqui foi a emergência de uma figura articulada e disposta a dobrar a aposta do conflito.

Victor Antonio Martins via Behance

A controvérsia em torno da Bill C-16

Sob a lei federal contra a qual Peterson protestava em seus vídeos, agora aprovada pelo parlamento apesar da sua participação como testemunha no Senado, tornou-se ilegal a discriminação de gênero no Canadá. Grosso modo, a lei torna obrigatória a utilização de palavras que no nosso contexto equivaleria ao uso regulamentado dos problemáticos @s nos finais de adjetivos e substantivos. A esse respeito Peterson afirma ter uma objeção principal: seu discurso não será modulado por pessoas ideologicamente motivadas. Quando algum estudante lhe pergunta o que dá a ele a autoridade de determinar que pronomes usar para tratar outra pessoa, Peterson vira o jogo de autoridade verbal às vezes exasperado: “Por que eu tenho a autoridade para determinar o que eu mesmo digo? Que tipo de pergunta é essa?!”

Peterson observa com idêntica preocupação que a imprecisão do texto da lei permite o enquadramento de qualquer discordância contra esse mesmo grupo de pessoas como discurso de ódio passível de punição legal. Essa postura foi o suficiente para torná-lo alvo de uma série de protestos dentro e fora do campus, ameaçar seu cargo e chamar para ele a atenção de uma multidão de jovens antipáticos à agenda progressista do dia.

Seus críticos mais sensatos acusam-no de alimentar um clima de ódio e intolerância que deve ser ocasião de mais violência que a já sofrida pelos transgêneros. Outros chegam às vias de fato da difamação, retratando-o como um transfóbico incitador de agressões violentas a estudantes. A controvérsia provocada pelos vídeos fez com que a administração da Universidade de Toronto lhe enviasse duas cartas de advertência, observando de maneira contraditória que, embora seu direito à liberdade de expressão devesse ser respeitado, a recusa em utilizar os pronomes preferidos poderia ser tida como uma violação da legislação de direitos humanos.

Mas as ameaças contra as quais o professor tem precisado lutar nos últimos dezoito meses não lhe são de todo estranhas. Peterson estuda o autoritarismo e as estruturas narrativas que suportam o fenômeno da possessão ideológica há pelo menos 40 anos — seu agora clássico Maps of Meaning: The Architecture of Belief trata precisamente disso.

Contra o pós-modernismo, a política de identidade e o “neomarxismo”

Como outras figuras que se apresentam como antagonistas diretas da hegemonia discursiva das esquerdas na academia e na grande mídia (Shapiro e Buchanan vêm à mente), Peterson faz uma crítica em bloco ao pós-modernismo, que acredita ser uma transmutação tardia do marxismo, e à política de identidade, sua forma de manifestação mais recente no campo do embate legislativo e judicial. Em termos de abrangência e precisão conceitual, sua perspectiva não é tão diferente daquela de outros conservadores acostumados a tratar qualquer traço de progressismo como parte de um plano civilizacional abrangente, batizado, não sem alguma agressiva ingenuidade, de marxismo cultural. Diferentemente desses conservadores, no entanto, Peterson não dá sinais de acreditar em uma coordenação de forças progressistas com fins de criação de uma sociedade com novos valores.

O campo de ação escolhido por Peterson, ele explica em entrevista ao canal Rebel Wisdom, aparentado cultural do veículo de mídia de direita de Ezra Levant, a Rebel Media, é o filosófico, talvez o teológico, e não o político. Peterson acredita que a lei e as políticas que critica são sinais de uma crise, um esgarçamento profundo na sociedade ocidental, dentro do qual o problema dos pronomes de gênero aparece como uma pequena filigrana. Sua popularidade se deve ao fato de que ele teria colocado o dedo na ferida.

Peterson ataca de maneira focada o pós-modernismo no espírito do aforismo nietzscheano segundo o qual somos todos seguidores inconscientes de filósofos mortos. Derrotar em tantas arenas quanto possível o pós-modernismo é, para Peterson, tornar alunos e ouvintes discípulos conscientes de doutrinas outras, mais responsáveis e menos ingratas que a que tem feito o mundo caminhar na borda do abismo desde o fim da Segunda Guerra.

Eis a visão de Peterson sobre o pós-modernismo. Derrida, o trickster que encabeçou o movimento intelectual, descrevia a sociedade ocidental como falogocêntrica — dominada pelos homens, fundamentalmente opressiva, egoísta até o limite, e estruturada por um modo de recepção da realidade cheio de pressupostos linguísticos e metafísicos. A negação desses pressupostos acaba na conclusão de que a noção de uma essência — das coisas, das pessoas — é parte de uma subestrutura filosófica imposta pelas práticas da cultura dominante. Negados esses pressupostos, passa-se a ver que as identidades são construtos sociais, condicionadas pelos grupos e seus conflitos.

Peterson é do grupo de pensadores que julgam que o marxismo não pôde manter intacta, sobretudo depois da melhora significativa das condições de vida dos trabalhadores nas democracias corporativas ocidentais, a ideia de que a história se desdobra como confronto entre classes. Nos anos 1970 a fraqueza da explicação marxista teria ficado suficientemente evidente, de modo que foi necessário alterar as peças do seu jogo teórico: não mais ricos contra pobres, mas opressores contra oprimidos, e tudo divivido em tantas subpopulações — os negros, as mulheres, os vários gêneros, os imigrantes — que a narrativa poderia continuar estruturalmente a mesma, apenas com novos atores.

Para os pós-modernistas o mundo é um campo de guerra de grupos identitários, e a fala, fundamentalmente um instrumento de dominação. Só há luta por poder, pouco ou nenhum espaço para a comunicação e a busca conjunta por verdades. Se você está no grupo dos opressores, bem, também você é um opressor, e todas as suas ideias podem ser desconsideradas.

Os arquétipos e a arrumação do seu quarto

A alternativa intelectual que Peterson oferece ao pós-modernismo é interessante. Em um nível fundamental, imitamos outras pessoas, disserta o Dr. Peterson. Não imitamos só as pessoas ao nosso redor, mas, por transitividade, as pessoas que vieram antes das que estão ao nosso redor, e as que vieram ainda antes dessas, numa regressão de origem irrastreável. Reproduzimos padrões de comportamento ricos em informações e que nos são incompreensíveis, consequência da imitação coletiva através dos séculos, e esses padrões se tornam manifestos como figuras da imaginação.

Essas figuras da imaginação são destilações de padrões comportamentais, e, como destilações, têm um conteúdo inteiramente diferente das nossas personalidades individuais. São conteúdos transmitidos pela cultura, e por isso Peterson acredita que essas figuras podem revelar algo a respeito da própria estrutura da realidade. Junguiano, Peterson defende uma psicologia que começa pelo pressuposto de que os arranjos arquetípicos das crenças religiosas fundamentais não são patológicos, doentios ou enganadores, não são meios de proteção delirante contra o medo da morte, mas exatamente o contrário disso — histórias que nos permitiram prosseguir como pessoas corajosas em face do caos.

Da juventude que representa a maior parcela dos seus ouvintes e alunos o interesse foi provavelmente capturado pelos dois fortes da doutrina petersoniana: as categorias pré-existentes de percepções humanas — ou arquétipos — , explicadas por meio de vivissecções demoradas de histórias bíblicas e até de desenhos da Disney (O Rei Leão e Pinóquio são favoritos), e os antídotos contra o caos da vida extraídos desses arquétipos.

O Dr. Peterson se tornou uma espécie de terapeuta, guru e professor humanista de uma imensa quantidade de jovens, principalmente homens, por falar de responsabilidade, de histórias que moldaram a cultura e de maneiras como trazer aos próprios dias uma ordem que na medida do indivíduo corresponde a uma reconquista de força e dignidade.

No contexto dos memes e das referências leves, Peterson é frequentemente lembrado pela conclamação que mais repete: clean your room! [limpe seu quarto!] — comece a redenção do mundo e a fuga do caos pelo que está ao alcance imediato das suas mãos.

Recentemente Peterson lançou seu segundo livro, o já referido 12 Rules for Life: An Antidote to Chaos, no qual desenvolve uma lista de recomendações para uma vida significativa que postara no Quora anos atrás.

Por Jorge Concépcion no Medium

Comente este artigo

Populares

Topo