X

Busque em mais de 20.000 artigos de nosso acervo.

Growth Hacking

Guia growth hacker para UX

Guia growth hacker para uma boa experiência do usuário

A experiência do usuário é imprescindível para o crescimento. Entenda a sua importância


A experiência do usuário é imprescindível para crescer. Entenda a sua importância

A mandala do crescimento para startups.

A mandala do crescimento para startups.

A experiência do usuário é um dos grandes desafios para o crescimento da empresa

Para aumentar as chances de sucesso de sua startup você precisa ter uma experiência do usuário (UX) excelente e fazer uso de growth hacking. Growth Hacking é uma filosofia, é abrangente e não se trata apenas de táticas. Para alcançar o crescimento, muito trabalho tem sido feito e posto em teste. Isso provavelmente irá envolver uma série de fracassos, um monte de trituração de dados e iterações de UX, linguagem, produtos, educação ao cliente, e muito mais.

Nesse post vamos falar em um momento crucial para sua startup. É a experiência que o potencial cliente vivencia na primeira vez em que usa o seu produto.

Este é o momento que você está pronto para ir além do cadastro de usuário e realmente aumentar o número de usuários ativos.

Se as pessoas visitam o seu site ou aplicativo apenas uma vez, o seu funil está deixando escapar a conversão, o que deveria ser o seu foco principal desde o início. A primeira vez que o usuário interagir com o seu software, será o momento certo para ter o máximo de atenção de seu cliente.

Este é um ponto crucial em que a experiência do usuário e o growth hacking se cruzam. A maioria das pessoas considera este o início de um processo chamado de integração. James Currier acha que você deve colocar a metade de seus recursos de desenvolvimento nessa primeira experiência. Ele já trabalhou com 10 empresas com mais de 10 milhões de usuários, de forma que vale a pena ouvi-lo.

É tão importante que você pegue o usuário pelas mãos e os oriente. Certifique de que eles entendem o valor de seu produto trará.

Josh Elman (que já foi growth hacker do Twitter e LinkedIn que também vale a pena ouvir), dá bons conselhos sobre isso.

Josh diz a todo custo para evitar um tour do produto ao invés de dar as pequenas popups de dicas tutoriais para começarem a usar o produto. No Twitter, Josh descobriu que uma vez que os usuários colocassem uma imagem no perfil eles tinham propriedade e se tornavam ativamente engajados.

Para chegar a isso deve existir o mínimo de atrito entre o seu produto e o usuário. Neste ponto, você tenta mostrar-lhes o valor e os benefícios que você tem:

  • A venda do produto
  • Educar as pessoas sobre os benefícios do produto
  • Incentivar o retorno e uso do produto

O teste do que está funcionando ou do que não está funcionando é importante.

O funil da experiência do usuário.

O funil da experiência do usuário.

A chave de ouro é entender o que motiva as pessoas a usar o produto novamente ou o que os impede de voltar.

O Analytics permitem que você olhe para o que as pessoas estão fazendo, mas você também pode querer considerar por que as pessoas estão fazendo as coisas. Existem produtos novos, como o Qualaroo, que lhe dá uma visão sobre o porquê das coisas, simplesmente perguntando ao usuário. Segundo Morgan Brown, chefe de crescimento da Qualaroo, seus clientes possuem as chaves para destravar o crescimento. Com a ferramenta é possível saber o que eles querem, o que estão tentando fazer e o que não podem fazer.

Com essas informações em mãos, é possível usá-las para melhorar a sua experiência de integração de usuário e funil de vendas.

Os growth hackers colocam ênfases diferentes em testes. Enquanto o mantra de muito dos growth hackers é testar, testar, testar, e testar novamente, Caelen King, da Watclinic diz que o teste pode sair caro. Ele fala sobre uma grande experiência quando a Whatclinic aumentou seus preços até que as pessoas deixaram de pagar, a fim de encontrar o seu ponto de preço.

As percepções de Caelen sobre o crescimento da Whatclinic para mais de 2 milhões de visitas por mês são:

  1. Teste a métrica que for mais barata para ser testada primeiro.
  2. A análise é cara enquanto fazer mudanças é muito mais barato.
  3. O teste A/B tem um valor limitado, especialmente se você é uma startup com dados e tráfico limitado

Caelen é controverso mas levanta um ponto importante. A maioria das novas empresas não tem tráfego suficiente para testar com precisão os dados no início – eles ainda estão lutando para tentar ter usuários na parte superior do seu funil.

Algumas pessoas pensam erroneamente que o growth hacking é um truque ou que irá abrir um enorme crescimento para sua empresa. No entanto, você começa a entender que é uma série de entendimentos e práticas que se encaixam e a UX é apenas uma delas.

___

Este artigo foi adaptado do original, “The Growth Hackers Guide to Good UX”, do Huffington Post.

Comente este artigo

Populares

Topo